Quais as principais diferenças entre o Android e o IOS

shutterstock_218533267

Benfica vs Sporting, Batman vs Joker e, claro, Android vs IOS.

Está indeciso e não sabe por que equipa torcer? Estive na mesma situação até há bem pouco tempo e, por não ser uma especialista, andei a pesquisar no sempre útil Google e a perguntar a amigos mais “techy” (uns super fãs de tudo o que venha das maçãs e outros nem por isso).  Acabei por chegar a algumas conclusões. Ora, então:

 

Disponibilidade

Pelo que me apercebi, o sistema IOS só está disponível para iPad/Pod/Phone e Apple TV. Já o Android, que eu pensava só poder ser instalado em Samsungs, afinal também funciona em muitos outros smartphones e tablets, de Sonys a Motorolas, passando pelos Nexus, LGs e HTCs. 1-0 para o Android, diria eu. Mas é discutível, talvez 0,5-0.

 

Preço

Este é provavelmente muito óbvio: Apple/IOS é mais caro, não há cá acessórios low-cost. Android, por exclusão de partes, sai mais em conta. 2-0 para o Android enquanto a Apple não decidir lançar um iPhone “barato” (e não um “pseudo-barato” como o 5C). Já agora, mais por graça do que por outra razão qualquer, experimente pesquisar o preço dos telefones “Vertu” ou consultar esta lista. Se algum dia lhe perguntarem se há telefones ao preço de casas, já sabe a resposta certa e factual.

 

Segurança e Privacidade

Quando se fala de proteção de dados, a Apple ganha. Instalar uma app qualquer num Android (vinda do Google Play, por exemplo), implica permitir acesso aos seus contactos, mensagens, fotografias, etc, (e é um longo etc, acredite). É uma espécie de all in or nothing: se não permitir, não pode instalar a app e ponto final. O IOS não o obriga a dar acesso a nada pessoal. 2-1, digo eu, que faço de árbitro.

 

 

 

Personalização

O Android permite uma maior “customização” do que o IOS. Pode escolher uma imagem para o fundo de ecrã bloqueado e outra para o desbloqueado, instalar apps de mensagens, por exemplo, e torná-las a app padrão em detrimento da caixa de mensagens que já vem instalada e o IOS não permite nada disto. 3-1?

 

Beleza

O tópico mais subjetivo de todos. Pessoalmente, acho todos os produtos que a Apple faz mais bonitos do que os seus equivalentes rivais. A não ser que me lembre do Macintosh que tinha lá por casa em 1998, algo como isto. Lembra-se? “c://” está na minha memória até hoje. 3-2, ainda assim.

 

Em relação a apps (incluindo as de email), interface, mensagens e chamadas, tudo é muito idêntico: ecrã touch, giratório, dicionário automático e sugestão de palavras. Pela minha experiência pessoal, diria que o iPhone tem tendência a crashar menos. Ficamos, então, num 3-3? Empate? Sem penalties, ficamos por aqui.

Qualquer referência a futebol encontrada neste artigo deve ser desculpada: é que daqui a 4 horas joga Portugal vs Polónia.

Até à próxima, espero ter ajudado.

Continue Reading

5 dicas para ser um fotógrafo com o telemóvel

shutterstock_423638911

Hey!

Este post é para si que tem um smartphone com uma câmara fantástica, mas não sabe exatamente como a utilizar. Ou para si que quer tirar melhores fotografias, mas não quer gastar muito numa máquina xpto. Felizmente, hoje em dia todos podemos ser fotógrafos. Olhe pela janela e repare no carro tão original ali estacionado ou saia à rua e observe as casas que rodeiam a sua – enquanto experimenta estas sugestões.

1. Não faça zoom in

Começo com o que não fazer: aproximar. Aproximar muito faz com que as suas fotografias percam qualidade e a capacidade de transmitir uma sensação de profundidade. Tire a fotografia normalmente e corte-a depois – assim, até fica com mais margem de manobra.

2. Use a opção HDR (high dynamic range)

Se conseguir pousar o seu smartphone, melhor. Se não, mantenha-se firme, sustenha a respiração (tenha como objetivo tirar a fotografia entre as batidas do coração), toque no ecrã e aguarde alguns segundos. Esta opção assegura que a sua fotografia fique com o contraste e brilho ideais. Dica 2.1: experimente tirar uma fotografia com este modo ligado e outra com ele desligado e veja a diferença.

3. Use a grelha de edição

Somos naturalmente atraídos por imagens divididas em três cujo objeto principal (normalmente em primeiro plano) esteja ligeiramente desviado do centro. Para o ajudar a conseguir uma composição equilibrada, ative a grelha de duas linhas horizontais e de duas verticais e tente colocar o objeto principal da sua fotografia num dos pontos de interseção destas linhas ou ao longo de uma das linhas.

4. Menos é mais 

Tente focar-se apenas numa cena específica, seja ela uma pessoa, uma árvore ou um carro, por exemplo. Vários fotógrafos têm adotado um estilo cada vez mais minimalista e a verdade é que se torna bastante agradável de contemplar. Esta é uma teoria não comprovada, mas se observar a conta de Instagram, Minimal Mood, por exemplo, irá tirar muitas dúvidas e vai provavelmente concordar comigo.

5. Conheça o trabalho de diferentes fotógrafos

Last but not least, veja muitos, muitos, muitos sites e livros de fotografia, siga as contas de Instagram que mais gostar e tente analisar alguns dos quadradinhos que outros fotógrafos postam – porque é que lhe parece bem, o que é que faria de diferente, onde colocou ele o objeto principal.

De que dicas gostou mais? Partilhe as suas sugestões e diga-me o que tem resultado melhor para si.

Até já e uma boa semana.

Pi.

Continue Reading